quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Bolha de Sabão


Infelizmente
O glamour de muita gente
se assemelham a bolhas de sabão
Brilhantes enquanto perto do coração
Mas que pela rua
Levemente ela flutua
E quando a  alcança
Estoura, acabando a esperança
Quando a tocamos com nossa mão
Quanto mais colorida
Quanto mais na luz ela brilha
Tanto mais vazia
Mais fragilizada sua condição....

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Fantasma





Existe um fantasma
Que está a assombrar
A todos que ousam
Sua mente, nele, fixar
É um fantasma ousado
Não se pode confiar
A todos os que amam
Está  sempre a atormentar
Seria melhor
Fixar seu coração
Em algo mais concreto
Do que algo de sua imaginação
Não dê ouvidos a esse fantasma
Não lhe ofereça sua paixão
Não existe castigo pior
Do que ficar na solidão
É única coisa que oferece
Esse fantasma sem coração
É jogar todo o seu amor
Na mais profunda escuridão
Guarda tudo que ama bem protegido,
Junto com outros bens seus
E mande para muito longe
O fantasma do ADEUS...

Olhos Transparentes





Um olhar que tanto condena
Quanto ama
Revelando tantos segredos
Que a um olhar atento, inflama!
Ao ver tantos sentimentos
E tanto drama
Que exalam de olhos tão transparentes
Quanto os olhos de quem ama
A poesia mais bela, podemos encontrar
Com tanta admiração
Está escondido em cada olhar
Que é a transparência de um coração...

Traição







Poesia, poesia! Sua Dalila traidora!
Como ousa, como ousa revelar
Todo o mal que está a me condenar?
Por que essa minha mão traidora
Não cessa de escrever
Palavras que essa folha de papel
Não consegue mais reter?
Poesia, poesia! Pequena traidora
Falsa amiga!
Como ousas?
Transformar essa cantiga
Em algo que revela tamanha dor?
Que meus olhos não conseguem mais esconder
Poesia, ai que horror!
Como posso corresponder
A tantos poemas de amor, alegria
Se esse meu maldito poema
Só exala nostalgia?
Arte de fracasso, fracasso em viver
Como ousas, revelar, esta dor a me envolver?
Lágrimas frias como meus medos
Estão a essas palavras regar
Entre meus dedos
Uma caneta a deslizar
Sobre esse papel tão sombrio
Quanto está este meu olhar,
Este papel, como espelho
Está a me entregar
Que adianta o sorriso
Se é apenas uma mentira?
Sua amizade foi falsa
Prometestes ser minha amiga
Ah pequeno demônio qual acuso
Esta minha indignação
Tamanha traição de amizade
Fatiastes em tiras, meu coração
Não sei o que mais me faz doer
A sua falsa amizade
Ou essa mania de escrever....