segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Rotina de Hospital


E na correria do dia
Como costuma ser em um hospital
Em meu local de trabalho, prossigo com minha rotina
com todos os pacientes, igual
Todos precisam do mesmo atendimento,
Mesmo estando lotado aquele local,
Hoje foi o dia dos pacientes mirim
Alguns morriam de medo, outros achavam mó legal
Todos foram cativantes,
Mas uma garotinha, foi especial
A cada troca de paciente, ela esperava ansiosa no corredor
Passava o tempo, passava os pacientes, como sempre, normal
A vez da menininha demorava
Vinha Amanda, Lucas, Gertrudes, e Nicolau
Mas para ela era festa toda aquela situação
Outros em seu lugar alegaria ser fatal!
A cada ida e vinda
Ela cantava naquele corredor
E toda vez que eu aparecia na porta
Ela me abraçava e sorria, trazendo no sorriso seu esplendor
O carinho daquela menininha, mesmo doente
Me foi arrebatador
A sua magia, a sua alegria
E seu carinho tão consolador
Acabou conquistando todos naquele Ambulatório,
E mostrando que um bom tratamento e recuperação
Deve trazer consigo o Amor...


"Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana..." Jung

Untitled

Ah! quem dera se em mim  houvesse beleza
Se fosse mais fina, ou mais inteligente
Se houvesse destreza em meu poetar
Teria coragem, de cruzar esses quilômetros
E a ti me fazer conhecer...
Te vejo em frente e tu nem imaginas
que por ti vesti os sonhos mais bonitos
E a outros sorrindo o vejo conversar
E tento descobrir um pouco mais do seu interior
E quando aproximas, me faço tão pequenina,
disfarço o olhar, apenas respiro e começo a tremer.
Assim se passa os meses de Janeiro a Janeiro
Como o tempo do poema de Bilac
De repente, um dia me nota e se inclina a minha condição inferior
Ao olhar meus escritos, suponho que pensas "Que menina mais boba..."
E desejo morrer...
Expressa admiração em pequenas produções que tanto tenho a melhorar...
Te elejo meu professor, por tantos conselhos e ensinos preciosos que me ajudam a crescer
Vindos tão naturalmente de seu ser, como se brilhasse em ti
 as luzes de todos os poetas...


domingo, 21 de outubro de 2012

Tesouro



Um anel de prata na direita mão
No olhar dois diamantes iguais
Uma pessoa de ouro no coração
E na voz a suavidade dos cristais
Planos escritos em cobre na ambição
Amor e coragem gravado na pele quais sinais
São conquistas adquiridas com suor, labutação
Alcançando assim as pérolas dos ideais
Tesouros carregados pela vida, e sua lição
Dos quais valor não encontrei iguais!


sábado, 20 de outubro de 2012

Apaixonado Shakespeare



Não venho em nenhum outro encontrado
Tamanho sentimentalismo, em tamanho louvor
Quanto a esse Shakespeare, por mim amado

Com seus lindos sonetos de amor
Que a sua querida há eternizado
Em seu texto tão sonhador
Em meus versos serás fixado
O senhor Shakespeare apaixonado,
Senhor Shakespeare eterno escritor...

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Hey, tão te tirando pra burro


Eles prometem de novo
Eles tentam de novo
Figem mudança
Eles sorriem na sua frente
Eles falam bonito
Eles pensam que você não pensa
Eles pensam que você não discerne...
Eles oferecem benefícios
Eles abraçam crianças
Mas eles não lembram
Que você os observa,
Não acredite em palavras bonitas,
Sem antes analisar a situação
Sem antes estudar a condição
A leitura nunca é de mais,
E quando estudares, que o conhecimento o deixe humilde
E que a humildade o faça discernir os sorrisos do sorrir,
E quando os olhos sorrirem junto com os lábios
Existirá coisas boas a explorar
E quando o substimarem
Tirarem de burro
Na modéstia, mostrarás a grandeza em seu ser
Estão te tirando de burro
Quando mentem um sorriso
Estão te tirando pra burro
Quando te caluniam pelas costas
Estão te tirando de burro
Quando falam bonito
Quando oferecem propostas
Sem instenção de serem cumpridas
Use de discernimento
E de modétia, e ao realizar o dever com ética
Não mudarás o mundo, mas terá um canalha a menos...


sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Sem Motivos



Hoje estou feliz
Mas não é aquela felicidade estúpida, absurda
Aquela que entra e te invade, por algum motivo próprio
É uma felicidade sútil
Fina, quase suave, uma satisfação que preenche aos poucos
É uma felicidade, que poderia ser confundida com amor
Mas não aquele amor ardente, que te deixa eufórico
Mas aquele, que surge bem devagar, como se desse um passo
a cada noite, e em cada noite invadisse seus sonhos...
É uma felicidade  sem motivo,
É aquilo que se sente ao estar na roda de amigos, com aquelas gargalhadas gostosas,
só que sem estar nesta condição,
Aquela inconfundível sensação encontrada no abraço do reencontro
No olhar amigo, no elogio sincero
Na amizade profunda e achegada
Só que, estando na companhia, apenas de suas melhores recordações.
Aquela doce felicidade de se estar vestido de sonhos,
Desenhando projetos, calculando batalhas
Contudo, na mais serena paz que pudera sobrevir...
E me sinto feliz, de que esta felicidade não dependa de fatores externos
- não neste momento -
Mas sim da única e exclusiva condição do meu interior,
E uma vez estando completa, o que vem de fora transborda o meu ser
E como é fácil se distrair com a correria do dia a dia, e não perceber
que os pequenos detalhes é que fazem toda a diferença!
Bem-aventurados são os que percebem o grandioso encontrado na simplicidade
Bem-aventurados os que encontram a felicidade, embora sem um motivo aparente!